Resenha – SENSE8

Você provavelmente já deve ter ouvido falar de Sense8, certo? Terminei de assistir recentemente e confesso que quando assisti o primeiro episódio, não me animei muito; pelo contrário, fiquei bem confusa com a história, mas mesmo assim, com tantas críticas positivas, dei uma segunda chance e continuei assistindo; ainda bem. Sense8 é mais uma série original do Netflix, que tem produzido ótimas séries como Orange is the New Black, Demolidor e outras. O Netflix tem entrado com os dois pés no peito MESMO, e tá difícil competir com eles, viu?

Como explicar Sense8? É confuso, e tudo bem se você não entender muito bem no começo, mas vá assistir porque a série é absurdamente incrível, bem escrita, maravilhosamente dirigida e produzida. E as atuações estão no mesmo patamar e não deixam a desejar nem um pouco. Sense8 foi escrita e dirigida pelos Irmãos Wachowski (os mesmos diretores de Matrix), então só daí você consegue ter uma ideia do que pode vir a diante.

Directors Andy Wachowski (L) and Lana Wachowski attend the 2nd Annual Australians in Film Awards Gala at Intercontinental Hotel on October 24, 2013 in Beverly Hills, California.AFP PHOTO/JOE KLAMAR (Photo credit should read JOE KLAMAR/AFP/Getty Images)
Irmãos Wachowski

 

Sense8 conta a história de 8 protagonistas que têm, entre si, uma conexão. São oito histórias e cenários (e países!) diferentes, mas que todos eles são “um”. Por terem essa conexão, os sensates (como são chamadas essas pessoas) podem se comunicar, dividir habilidades, sentimentos de amor, ódio, insegurança, etc. Então, por exemplo, se um dos sensates está passando por apuros, os outros sentem o que ele sente e podem se “teletransportar” para o universo dessa pessoa (e só um sensate enxerga o outro do seu grupo) para conversarem, ou até para emprestarem suas habilidades de luta, etc. É um tanto confuso de explicar. É como se eu estivesse aqui, mas em pensamento estivesse em outro lugar do mundo me comunicando com o sensate.

s8_1

Além dessas habilidades, que por si só já intrigam e deixam qualquer espectador com vontade de assistir os outros episódios, pela ousadia e criatividade da trama, a história dos oito sensates também é EXTREMAMENTE relevante para a estória, e tratam de assuntos muito contemporâneos, como transexualidade, homossexualidade, machismo, traumas de infância, entre outros.

Conheça os 8 sensates:

Riley – Inglaterra/Islândia: interpretada por Tuppence Middleton, é uma DJ islandesa que mora em Londres, passa por problemas como drogas, tráfico e, ao longo dos episódios, descobrimos uma profundidade absurda em sua personagem!

riley

Will – EUA: interpretado por Brian J. Smith, é um policial de Chicago que lida com problemas do seu pai alcoólatra e gangues do tráfico do seu Estado. É um dos primeiros a perceber que é um sensate e o que isso significa. Ligação importantíssima entre todos os outros!

will

Sun – Coréia do Sul: interpretada por Doona Bae, é filha de um riquíssimo executivo de Seul e é CFO da empresa de seu pai; nas horas vagas (e secretas) é lutadora de kickboxing. Sun passa por momentos importantes durante a trama sobre questões éticas e familiares. Essa mulher é maravilhosa demais. Quebra qualquer um!

sun

Wolfgang – Alemanha: interpretado por Max Riemelt, é um ladrão de cofres em Berlim que enfrenta problemas com a máfia e tráfico alemães, além de ter também traumas de infância e familiares. É o cara da porradaria no Sense8, desses que você fica vibrando loucamente nas cenas (eu, pelo menos, haha).

wolfgang

Kala – Índia: interpretada por Tina Desai, é uma jovem farmacêutica e culta que tem um casamento arranjado, mas que não quer se casar sem ser por amor, e sofre para dizer o que realmente pensa. Eu gosto da Kala, mas nem de longe é a minha preferida. Acho que tinha um SUPER potencial para uma personagem bem feminista em um país tipicamente misógino. Mas não é bem isso, apesar de ter aparições importantíssimas na trama!

kala

Lito – México: interpretado pelo incrível Miguel Ángel Silvestre, é um ator de novelas mexicanas bem “machão”, mas que em casa tem um relacionamento homoafetivo em segredo. O personagem de Lito tem uma crescente na série, e passa por muitos dilemas pessoais.

lito

Nomi – EUA: interpretada por Jamie Clayton, é uma ativista hacker transexual e homossexual de São Francisco. Nomi é daquelas personagens maravilhosas e incrivelmente bad asses, muito feminista! Sua história emociona e me fez chorar algumas boas vezes pelos episódios. Nomi tem papel fundamental, também, para os outros sensates!

nomi

Capheus – Quênia: interpretado por Aml Ameen, é um motorista de Van (a famosa Van Damn) em Nairóbi, tem uma mãe soropositiva e enfrenta, também, problemas de gangues e outras mazelas que assolam o país. É o personagem mais gente boa de todos, aquele que sempre está de bom humor e cheio de esperanças mesmo em meio às adversidades; é tipo o conselheiro do grupo.

capheus

Todos os personagens são muito bem construídos e cada um tem uma história diferente, um background diferente, mas todos são complementares pela personalidade, pela força e pelos valores. Sense8 é uma obra prima, o Netflix acertou em CHEIO. Várias cenas são absolutamente memoráveis, que normalmente são aquelas que todos os sensates estão juntos. Nem vou dar spoilers, mas adianto que é uma série com muita violência, drogas, cenas de nudez e sexo, então a classificação etária é + 16 anos.

Tem Netflix? Assista Sense8! Estou louca pela estreia da 2ª temporada que, infelizmente, só tem estreia prevista para o ano que vem. Mas se for na mesma pegada que a primeira, o sucesso está garantido. Amei demais.

Trailer Oficial

Sobre Júlia Abilel

Relações Públicas, namorida, mãe de duas gatas, ama Harry Potter e Nutella. Curte Disney, Tarantino e Friends!

Confira Também!

Gotham – Primeira Temporada

Nos últimos anos, são raros os seriados da TV aberta americana que acabaram me prendendo, ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.